Este é o Programa Cena Musical – Especial com o Mestre Cardoso, de Ourém, exibido na TV Cultura do Pará em 23 de maio de 2009. Acompanhando o Mestre, estamos eu (na flauta), o Allan Carvalho (no banjo), e o Batalhão da Estrela, regido pelo Rafael Barros. Apresentação de Isidoro Calixto.

Curta logo abaixo o programa completo, dividido em seis partes.

Parte 1 – Sereia

Parte 2 – Cadê a floresta?

Parte 3 – Pescaria

Parte 4 – As Origens de Ourém

Parte 5 – Não sou norte-americano / Da roseira nasce a rosa

Parte 6 – Estrela Dalva / Baiana

Esse livreto que estou disponibilizando aqui no blog, em formato pdf, foi feito para os Arrastões de Junho do Arraial do Pavulagem. Ele traz 15 canções que foram ensaiadas e cantadas pelo Batalhão da Estrela nas ruas da Capital. Além disso, vem com uma ficha técnica bem detalhada do evento. A transcrição das partituras foi feita por mim, e o projeto gráfico é de Éder Oliveira e Natany Rodrigues.

O mateiral teve farta distribuição gratuita durante o período dos arrastões, mas acredito que já não se consegue mais um exemplar tão facilmente. Por isso, e por achar que contém partituras de amplo interesse, coloco ele aqui (arquivo pdf – 3,3 MB).

A toada Estrela Dalva, de Mestre Cardoso, amo do boi Ouro Fino de Ourém, está no repertório do arrastão que o Arraial do Pavulagem realiza esse sábado de manhã, logo após a chegada da imagem da santa na escadinha do cais do porto. Mestre Cardoso vem à capital junto com outros amos daquele município, e vão mostrar a sua brincadeira na praça dos estivadores, antes da saída do arrastão. E na chegada, na praça do Carmo, Cardoso deve cantar junto com a batalhão a sua toada Estrela Dalva, que foi composta esse ano para o arrastão de Ourém, realizado em maio.

Os bois de Ourém têm vindo regularmente aos arrastões do Pavulgem. Em junho deste ano, participaram Mestre Faustino e Tuíte, e o seus bois Pai-do-Campo e Geringonça; e quanto ao Cardoso, essa é a terceira vez que ele vem.

Este vídeo é uma montagem com duas gravações: a primeira foi feita na casa do Mestre, em Ourém, dia 14 de junho; e a segunda, durante o ensaio do dia 10 de outubro, no Centur, quando Cardoso veio à Belém para ensaiar com o batalhão. A letra da toada é a seguinte:

Estrela Dalva
(Mestre Cardoso)

Eu vi a Estrela Dalva / Que brilhou na primavera
Ela vive em um jarro / Aonde tem flores belas
E entre todas as estrelas / Não tem uma igual a ela

Eu vi a Estrela Dalva / Que brilhou no oceano
Tava na beira da praia / O vento forte soprando
E entre todas as estrelas / Ela é a maior do ano

Hoje eu fui convidado / Pra fazer essa viagem
Convidei meu batalhão / Pra fazer essa montagem
Homenagem ao Malhadinho / E ao Arraial do Pavulagem

Caminhada por dentro do batalhão do Pavulagem, gravada no arrastão do dia 24/06/2007. O Vídeo mostra três momentos: a saída (no início da Av. Presidente Vargas); o meio da caminhada na mesma avenida; e a chegada na Praça da República, em frente aos mastros de São João. Reparem no talento do Rafael, o regente da galera do batuque, que esse ano aprendeu a andar de perna de pau, pra ser visto melhor por todos; e no arranjo pra finalização, que finalmente deu certo neste domingo! rs

Participou também deste arrastão o boi Pai-do-Campo, comandado por Mestre Faustino, de Ourém. Rolou uma roda de boi com ele lá na escadinha, antes da saída do cortejo,

Mascarados.

Mascarados.

Tuíte cantando.

Tuíte cantando.

Boi na roda.

Boi na roda.

Catirina.

Catirina.

Chapéus dos mestres.

Chapéus dos mestres.

Batalhão.

Batalhão.

e depois do arrastão, Faustino e Tuíte deram uma “canja” no palco montado para o show do Pavulagem. A praça estava novamente lotada!

palco0

Mestre Faustino.

palco1

Mestre Faustino e Boi Pai-do-campo na praça da República.

palco2

Público.

Mestre Tuíte, além de acompanhar Faustino nas brincadeiras, é também amo do boi Geringonça, também de Ourém. Confiram essa toada que o Tuíte levou – “Eu mandei fazer meu boi”:

“Eu mandei fazer meu boi
Na ilha de Marajó
Dou laço na fita verde
Pá prender raio do sol”

(ouça aqui)

Neste domingo, 24 de junho, o boi Pai-do-Campo de Ourém estará acompanhando o arrastão do Pavulagem. O boi é comandado por Faustino Almeida de Oliveira (Mestre Faustino), que já participou do arrastão de Belém em 2005 e 2006. Mestre Faustino brinca boi na sede do município de Ourém há 19 anos, quando a família dele e de Dona Miloca, a proprietária do boi, se mudaram para o local. Antes disso o grupo brincava na comunidade do Pacuí Claro, interior de Capitão Poço, de onde são originários. Desde os 10 anos de idade, Faustino já montava o boi, com tios e irmãos.

paidocampo_euefaustino

Eu e Mestre Faustino.

 Estive em Ourém na semana passada pra combinar a vinda dos brincantes no domingo que vem, e fui a um ensaio do grupo, feito no terreiro de Dona Miloca. Entre os versos cantados pelo grupo, esses (de Mestre Tuíte, parceiro de Faustino) foram feitos especialmente pro arrastão de Belém:

“Ó meu São João
Eu tô vendo a tua imagem
Vou de Ourém pra Belém
Pro Arraial da Pavulagem

Assim que eu gosto de ver
Assim que eu gosto de olhar
Vou levar boi Pai-do-Campo
Pra Belém representar”

paidocampo_ensaiofaustino

Mestre Faustino.

paidocampo_ensaioroda

Batalhão.

paidocampo_ensaiotantan

Tan-tan tocando a onça.

Esse ano o Arraial do Pavulagem colocou no repertório do arrastão duas toadas de Mestre Faustino, que são cantadas na saída do cortejo, na escadinha. São elas: “Preservação da natureza” e “Meu boi surgiu dos encantos da floresta”. Esta última foi composta para o arrastão de bois de Ourém, que acontece desde 2005, reunindo os 4 grupos em atividade de lá. As duas músicas saíram no disco Bois de Ourém (Vol. 2), gravado em 2006. Confiram aqui gravações e letras dessas músicas:

1. Preservação da natureza (Mestre Faustino)
“Meu batalhão saiu na rua
Mostrando sua beleza
Ele veio pedir pro povo
A preservação da natureza
Não derrube a mata verde
É isso que Deus não quer
Se derrubar mata virgem
Vai secar nossos igarapés”

2. Meu boi surgiu dos encantos da floresta (Mestre Faustino)
“Meu boi surgiu dos encantos da floresta
Trazendo vida, tradição em nossa festa
Boi Pai-do-Campo tem coisa de assombração
Tem Curupira, Catirina e Folharal

“Arrasta, meu boi, arrasta
Arrasta esse povão
O tom dessa batucada
Dá força em meu batalhão
“Meu Pai-do-Campo é o gado do lugar
Tem muita força, tradição para mostrar
“Meu batalhão é criado no Pará
Está disposto à beira do Rio Guamá”
Aqui estão imagens da matança do Pai-do-Campo, em 2006.

paidocampo_matanca2006caminhada

Batalhão do Pai-do-campo pelas ruas de Ourém.

paidocampo_matanca2006faustino

Mestre Faustino.

paidocampo_matanca2006tuite

Mestre Tuíte no centro da roda.

Credito das fotos: Fábio Cavalcante

O Boi Pavulagem completou 20 anos domingo, 10 de junho. Muita onda no aniversário! Arrastão pelas ruas, show com a praça lotada (falam em aproximadamente 10 mil pessoas!), apresentação à noite no Gasômetro, com dezenas de batuqueiros, dançarinos e sopros invadindo o teatro no final, carregando até um bolo com vela de 20 anos!!

Tenho gravado os arrastões do Pavulagem (peixe-boi, quadra junina e círio) há vários anos, primeiro devido à importância que dou ao brinquedo, que pelo tamanho que tomou, pela organização, pelas toadas lindas; é único na cidade; e depois porque gosto pra caralho daquela farra. Caminhar ao lado do batalhão sentindo o baque dos tambores; ver as cores – dos chapéus, do couro dos bois, das bandeiras, fitas; enfim, pra mim essa é uma das vantagens que Belém ainda tem (e que as tem cada vez menos!).

Este ano tive a oportunidade de estar mais perto da brincadeira, graças a um convite do Ronaldo Silva pra comandar, junto com o Allan PC, os ensaios de canto do batalhão. Um mês de ensaio (maio), e agora um mês de arrastões pela frente. Aproveitei e fiz registros de vários momentos, que vou postando aos poucos aqui no blog.

Este vídeo mostra o batalhão ao som da música “Da Roseira Nasce a Rosa”, de Mestre Cardoso, amo do Boi Ouro Fino, da cidade de Ourém (PA), e que entrou no repertório do arrastão esse ano. A letra diz:

“Da roseira nasce a rosa / Do amor nasce a amizade
Quem se ama não esquece / Quem se lembra tem saudade

Da roseira nasce a rosa / E dela nasce o perfume
Mas o amor é feliz / Quando ele não tem ciúme

O amor é uma semente / Ele vem do coração
Aonde tem o ciúme / Só dá muita confusão”