Homenagem ao Mestre Cardoso (arquivos inéditos)

Esta postagem é uma homenagem ao Mestre Cardoso, amo do Ouro Fino de Ourém, que faleceu esse mês, dia 20, em decorrência de um câncer que o debilitou lentamente desde maio, deixando-o com grande dificuldade para andar e cantar nas últimas semanas. São entrevistas e algumas músicas ainda inéditas, um tanto antigas, mas que finalmente edito e posto aqui na internet. É um material que acredito ser delicioso, principalmente pra quem conhece o Cardoso e está a fim de saber mais dele, já que ele fala bastante sobre a sua vida e sua arte: as toadas, o auto do boi, matanças, levantações, seus métodos de compor…

Essa primeira sequência é com 4 músicas que gravei no dia 14 de setembro de 2010, em Ourém, quando lá estive para reunir material pro meu disco mais recente. O tambor e o maracá foram tocados pelo próprio Cardoso. A faixa 3, “Que alegria!”, trata de um acontecimento que ainda estava “quente” na época – o reencontro do Mestre com seus familiares, quase 60 anos depois de sair da sua terra natal (essa história está contada aqui).

O Arlindo Matos, na casa de quem foram feitas essas gravações, registrou em vídeo o momento que o Cardoso canta “Avião Francês”, a toada que trata, assim como tantas outras do Mestre, de uma notícia “internacional”: a tragédia com o Airbus A330 da Air France, que havia caído no Atlântico no ano anterior. É o video editado pelo Arlindo que eu coloco aqui:

As entrevistas a seguir (exceto a da primeira faixa) foram todas feitas no programa “Sala de Reboco”, que apresentei entre 2004 e 2006, na rádio Tembés FM, em Ourém. Muitas vezes o Cardoso fala das músicas que iam ser apresentadas no dia da entrevista, mas os assuntos são os mais variados. Na segunda faixa (o Dominó) ele explica um jogo fantástico no uso da memória e da criatividade, que era praticado entre os amos de boi do seu Piauí – o Dominó, onde as peças eram substituídas por toadas rimadas, que eram postas no terreiro ao invés de postas na mesa. Na terceira faixa (A vinda para o Pará), ele conta o caminho que fez, boa parte a pé, quando saiu de Parnaíba, aos 20 anos, até chegar em Ourém, em 1993. A primeira foi feita em casa em dezembro de 2003, pouco depois de conhecê-lo. Cardoso fala sobre seu início na arte do boi, sua saída de Piauí, o costume de tirar licença para a brincadeira, o boi em Ourém, os personagens do auto, as dificuldades e o amor pela arte do boi-bumbá. Bem, os temas são diversos mesmo. Confira a seguir:

Reuni no álbum abaixo as fotos que tirei do Mestre ao longo desses anos. A mais antiga é da sua participação na FEMPO, a Feira de Música e Poesia de Ourém, em 2005. As mais recentes são do show que fizemos juntos em 2011, em Belém, no lançamento do meu disco “Do meio do século XX para o XXI“, todo com composições do Cardoso. No caminho, as brincadeiras nas ruas de Ourém, nas rádios, no Teatro da Paz e nos arrastões.

Mestre Cardoso - Lavrador de toadas, Compositor do mato (1933-2012)

Quem quiser ouvir a obra do Cardoso pode acessar esta página no site da FGC Producões. Lá estão disponíveis, para ouvir e baixar, mais de 120 músicas, além de outros vídeos e imagens. Aqui mesmo, no Blog FGC, publiquei diversas postagens sobre ele (com esta são 12). Elas estão reunidas aqui.

cardoso_indumentaria
Os apetrechos do Mestre

Cabocla Mariana na praia de Ponta de Pedras

A convite da Prof. Carla Ramos, que coordena o projeto “Mapeamento das Casas e Terreiros de Religiões de Matriz Afro-brasileira na cidade de Santarém/Pará”, da UFOPA, fui à praia de Ponta de Pedras (Santarém/PA) na noite de 10 de novembro de 2012, durante uma festa em homenagem à Cabocla Mariana, que reuniu diversas casas de religiões afro-brasileiras de Santarém. Deixo aqui disponíveis alguns dos batuques que tive o prazer de ouvir e gravar por lá.

O álbum a seguir são com imagens dessa noite.

Festa para Mãe Mariana

Se quiser baixar todas as músicas, clique aqui (zip – 45Mb).

Gambá de Aveiro

O Gambá é celebrado na vila de Pinhel (município de Aveiro/PA) nos últimos dias do mês de junho, em homenagem a São Benedito. O termo “Gambá” significa tanto a dança, quanto o ritmo, a festa e o principal instrumento usado na festividade – o tambor de tronco oco. Além dos tambores, as toadas do Gambá de Aveiro são acompanhadas por tocadores de caixa, reco-reco e ganzá.

Os 25 gambás desta postagem foram gravados em 29 de julho de 2007, no projeto do selo “Matrizes Ancestrais”, do Instituto de Artes do Pará (IAP), coordenado por Walter Freitas e Walter Figueredo, e que buscava mapear e registrar as festividades tradicionais paraenses. Além das folias, na última faixa dessa coleção você ouve uma ladainha com os moradores de Pinhel, que também tive a oportunidade de gravar. A ladainha, é importante dizer, também é parte integrante desta festividade. Os músicos são: Teodoro da Silva (tambor), Edgar Carvalho (tambor), Reimar Carvalho (tambor), Belinho Deodato (reco-reco), Tiago Deodato (mestre cantor e caixa), Altino dos Santos (mestre cantor e caixa) e Maciel Xavier Cardoso (mestre cantor e caixa).

Essas gravações foram lançadas em CD pelo IAP, em abril de 2008. Uma matéria sobre o lançamento desse disco pode ser lida aqui.

gamba_capa

Para baixar as toadas (com a ladainha) em um único arquivo, clique aqui (zip – 125,4Mb). E para saber mais sobre o Gambá, visite também esta página, na Rede Mocoronga.

Catalendas 2012 – nova Trilha Sonora

Esta é a nova trilha sonora que fiz pro programa “Catalendas” (produzido pela TV Cultura do Pará), que esse ano voltará com episódios inéditos.

Se quiser baixar a nova trilha completa, visite esta página no Overmundo.

O Catalendas é uma criação do In Bust Teatro com Bonecos, e é dirigido pelo Roger Paes. A trilha anterior, composta em 2002, também pode ser ouvida e baixada aqui.

Do meio do Século XX para o XXI – ao vivo em Belém, 2011

Estes são os vídeos da apresentação que fiz no lançamento do disco “Do meio do Século XX para o XXI”, em 1° de outubro de 2011, no Centro Cultural SESC Boulevard, em Belém. Contei com as participações especialíssimas do Allan Carvalho (voz e violão em “Soldado americano” e “O mundo é moderno”), do Felix Faccon (banjo e voz em “Mandei fazer um balão”), e do Mestre Cardoso, autor de todas as músicas. A filmagem foi feita pelo André Mardock e pelo Elrick Lima, a captação do áudio pelo Fabrício Rocha. A edição é minha.

Se quiser somente o áudio dessa apresentação, ouça-o no player abaixo. Para baixá-lo, clique aqui.

Morando em Santarém, a quase 800 km de Belém, consegui fazer essa apresentação em parte graças ao apoio que tive do selo Ná music (do produtor Ná Figueredo), do Sesc Boulevard, e dos amigos Arlindo Matos (de Ourém, presidente da Fundação Funcartemm), Marco Campelo, André Mardock, e da minha esposa Luciana Leal.
As imagens a seguir (também do André Mardock e Elrick Lima) são desta noite.

Lançamento do disco Do Meio do Século XX para o XXI

Para saber mais sobre o projeto “Do meio do Século XX para o XXI”, visite esta página.

flyer_DoMeioDoSeculoXXparaOXXI

É o Filho do Boto!

Está no ar a mais nova produção da Só H: “É o Filho do Boto!”. Dessa vez com um novo “parceiro-cavalcante”: o Mauri. Ele entrou com sua voz na narração, e ajudou a Luciana a produzir e manipular os cenários e personagens. Confira aqui a nossa versão pra lenda do Boto:

Dedicamos nosso filmeco ao Frederico.

botomkof
Cenas da filmagem

E este é o texto narrado (meu e da Luciana):

“Era uma vez no rio Pereré
Um bicho travesso de pele lisinha
Que tinha nascido num igarapé
Mas ficava de pé atrás de mocinha

Em noite de festa não ficava à toa
Atento, esse bicho espiava escondido
Depois entrava na festa, na boa
E já se juntava à de melhor vestido

Atento, o povo vigiava a mocinha
Mas o bicho, esperto, era liso e fugia
Levava a moça com ele, sozinha
E a moça, de virgem, virava vadia

Depois de namorada, ela adormecia
E no meio do mato, o bicho sumia
A moça acordava sozinha e assustada
Voltava pra casa e os pais já diziam:
‘Pelo que fizeste, não serás perdoada.’

Dentro do bucho crescia um garoto
Que todos diziam: ‘é o filho do Boto!’ “

Movimento de Roda de Curimbó

O “Movimento de Roda de Curimbó” é um grupo de pau-e-corda da vila de Alter-do-chão (Santarém, PA), formado pelos músicos Chico Malta, Helder Catraca, Jackson Rêgo, “Seu” Camargo, Hermes e Osmarino Freitas. As 10 músicas deste disco foram gravadas ao longo do ano de 2011 e lançadas em janeiro de 2012. Contei com as participações especiais de Dona Onete (cantando na faixa 1, e autora das faixas 1 e 11), Cristina Caetano (cantando na faixa 11), Pio Lobato (banjo na faixa 1), dos saxofonistas Junior Castro (faixas 4, 6 e 10) e Serginho (faixas 1 e 2), do trombonista Eri (faixa 3), e do baixista Dórisson (faixa 3). Os arranjos, gravação e mixagem são meus. Também toquei a flauta doce nas faixas 5 e 9, e uma flauta transversal de bambu na faixa 8.

Para baixar o disco completo, clique aqui.

E para quem se interessar, quiser tocar ou acompanhar, publiquei no Issuu o caderno de partitura com os arranjos dos sopros.

O álbum a seguir mostra as sessões de gravação, todas na casa do Jackson (“Cabana do Tapajós”), percussionista e integrante do grupo.

Gravação do disco Movimento de Roda de Curimbó

Para ver a ficha técnica completa, acesse a página do disco no FGC Produções. Ele também pode ser ouvido e baixado no Overmundo.

Sítio “FGC Produções” no ar!

Coloquei no ar um novo site, o “FGC Produções“. Minha ideia pra ele é substituir uma das funções desse blog – reunir o material que tenho produzido em meu estúdio caseiro. Muito desse conteúdo já está aqui, mas sempre achei o formato de blog inadequado pra isso – gravações em postagens muito antigas, por exemplo, vão ficando “invisíveis”, apesar de continuarem interessantes.

Pra colocar no ar, escolhi inicialmente dez artistas (ou grupos): Chico Malta, Deco, eu, os amos de boi de Ourém (Cardoso, Faustino, Julião e Tuíte), o grupo Nossas Lembranças, Pai Brasil, e os grupos do São Benedito de Bragança.

O projeto gráfico é da Luciana Leal, e construí ele no Joomla. Visite-o aqui.

Comissão das Colônias do Glorioso São Benedito de Bragança

01casa-2525287-252529
Altar para São Benedito

Os registros desta postagem foram feitos com a “Comissão das Colônias do Glorioso São Benedito de Bragança”, na cidade de Ourém, em 2004 e 2006. As comissões (elas são três: a das colônias, a das praias, e a dos campos) percorrem diversas cidades do nordeste paraense, esmolando de maio a dezembro, todos os anos. Nas casas onde são chamadas, recebem hospedagem e alimentação (geralmente por um dia), um lugar para montar o altar do Santo Preto, além de oferendas diversas (de dinheiro a animais) que são enviadas para a igreja de Bragança.

As caminhadas e estadias das Comissões são cheias de cantorias, acompanhadas por tambores, reco-reco, onça e pandeiros. Canta-se todos os dias, do levantar até pra lá das 9 da noite. O repertório é esse:
1) Alvorada, às cinco da manhã,
2) Agradecimento de mesa, após o almoço,
3) Ave maria, às 6 da tarde,
4) Bendito, depois do jantar e
5) a Ladainha, à noite. Além das folias de chegada e de despedida, ao entrar e sair de uma casa.

As gravações a seguir aconteceram em diferentes residências de Ourém, entre os dias 29 de julho e 2 de agosto de 2004. Neste ano, a comissão era formada por: Floriano Gonçalves (encarregado), Oswaldo (2° encarregado), Nazareno, Evaldo, Cearencinho, Giovani (rezadores), Celso, Waldecir (tamboleiros) e Mariano (tamboleiro e contralto). A faixa 5 é uma gravação completa da Ladainha, que as comissões rezam sem falta todas as noites, reunindo o povo, misturando português e latim, improvisando versos, e contraponteando com até 3 vozes (chamadas de contralto, “voz do rezador” (a do meio), e baixo).

Se quiser baixar todas as músicas acima em um único arquivo, clique aqui (zip – 500Mb).

Ao trocar de hospedagem, as comissões abrem passagem nas ruas com dois porta-bandeiras movimentando estandartes. Logo atrás vem o santo (geralmente nos braços de alguém da casa de onde acabaram de sair), protegido por um guarda-chuva levado por um membro da comissão. O batuque vem por último, e apesar de não serem numerosos, ele é muito forte. Os instrumentos são bem construídos, pintados com as cores da Marujada (vermelho, azul e branco), e audíveis de muito longe.

O vídeo a seguir foi feito em 2006, e mostra uma folia de chegada e uma folia de despedida, também em Ourém.

Em 2006, os membros da comissão eram: Zezinho (encarregado), Floriano Gonçalves, Joaquim Silva, Manoel Corrêa de Lima, Raimundo, Luís Maria e Rafael. As gravações a seguir foram feitas com este grupo, entre 14 e 16 agosto.

Para baixar as músicas acima, clique aqui (arquivo zip – 272,5Mb).

06chegada-2525283-252529
Em pé: Floriano Gonçalves, Luís Maria, Zezinho (encarregado), Joaquim Silva e Manoel Corrêa de Lima. Abaixados: Rafael, ? e Raimundo.

Outras imagens da passagem da comissão de São Benedito por Ourém, em 2006, podem ser vistas no álbum a seguir.

São Benedito de Bragança em Ourém

Esmolando desde o mês de maio, as comissões dos campos e das colônias retornam à sede de Bragança em novembro, e no dia 8 de dezembro chega, tradicionalmente, a das praias. Em Bragança elas vão às casas dos devotos do município, até chegar o dia em que as imagens devem ser levadas e entregues à igreja.

As festividades da Marujada começam dia 18, às 5 da manhã, com a alvorada. Depois vêm ensaios, festejos, arrastões, cavalhada… uma festa maravilhosa, ao ritmo de retumbão, xote, chorados, valsas. E para ouvir algumas músicas que são tocadas no barracão da Marujada, visite esta outra postagem.