Eu vou dizer pra mamãe! (Boi Pai-do-Campo de Ourém, 2004)

FaustinoNoArrastao

Esta é uma coleção com 12 toadas do boi Pai-do-Campo de Ourém, gravadas em 29 de maio de 2004, e que só agora publiquei na internet. Mestre Faustino puxa as toadas (exceto as faixas 1 e 11, puxadas pelo Salles), e é acompanhado pela Dona Miloca (pandeiro); Salles Machado (tambor); Dona Chica (maracas e coro); Dona Ambrósia (maracas e coro); Dona Cesária (maracas e coro); Dona Paulina (coro); Danilo (então com 3 anos, no pandeiro) e Daniel (coro).

Se quiser baixar toda a coleção, clique aqui (zip – 61,1Mb).

Das toadas acima, três delas eu regravei no meu disco FGC Vol. 3: “Tava dormindo e sonhando“, com uma melodia diferente, já que o próprio Faustino a alterava frequentemente; e o pout-pourri “Vassoura de botão/Ai, moreninha“.

Vale lembrar que essas e outras toadas do boi Pai-do-Campo (ao todo, são 50) também podem ser ouvidas e baixadas desta página no site FGC Produções.

FaustinoBuriti
Faustino trazendo buriti do mato, pra confecção do boi.

Atrito II (13 de junho de 2008)

Atrito foi um projeto idealizado em 2008 pelo Renato Torres, e realizado na Galeria Theodoro Braga, do Centur, em Belém. A convite dele, participei da segunda edição, em junho daquele ano, ao lado da Daiane Gasparetto, do artista visual Ricardo Macêdo e do poeta Paulo Vieira. Foi um encontro dividido em duas partes: uma performance coletiva, sem roteiro definido, com cada um dos participantes podendo (ou não) interferir ou se deixar interferir pelos demais; e um debate com o público no final. Para a performance, eu tinha à disposição um microfone e uma mesa de som com efeitos, e resolvi trabalhar basicamente com a microfonia, que era criada facilmente naquele espaço. O vídeo abaixo é um pequeno recorte da performance, e não mostra um monte de outras coisas interessantes que lembro ter acontecido – como o Ricardo rasgando os papéis do Paulo Vieira.

O álbum a seguir, com imagens de Ilton Ribeiro, registra outros momentos daquela noite.

Projeto Atrito II

O áudio do debate no final pode ser ouvido no tocador abaixo. A gravação está em baixíssima qualidade, por isso, caso queira, clique aqui para baixar uma transcrição do bate-papo.

Carnaval do meu nariz e boca

Este é um clipe que eu e a Luciana Leal fizemos pro “Carnaval do meu nariz e boca”. É uma música feita toda no Maschine, e que usa sons da minha boca (estalos, sugadas) e nariz (fungadas). No início tem uma espécie de making-of. O cenário é com telas da Lu que imitam azulejos, e são baseados nos desenhos das cerâmicas do povo Tapajó. Veja aqui:

Pra ouvir e baixar só a música, vá nessa postagem aqui.

Mestre Piticaia (Cachoeira do Arari)

Mestre-Piticaia-Debora-Flor
Piticaia (foto: Débora Flor)

Benedito Gama de Miranda é o nome de Mestre Piticaia. Nascido na comunidade do “Atola” (“pras bandas do rio Abaí”), e criado em Cachoeira do Arari, na ilha do Marajó, onde mora até hoje, Piticaia tem 73 anos de idade, e coloca boi há 42.

As 11 toadas a seguir foram gravadas pelo meu amigo Allan Carvalho, que esteve em Cachoeira durante o “Cordão do Galo“, projeto do Instituto Arraial do Pavulagem. O Mestre canta acompanhado por uma caixa quadrada, típica do marajó, tocada por ele mesmo.

Se quiser baixar as músicas, clique aqui (zip – 21.2 Mb).

O vídeo abaixo (gravado pelo Lucas Santana, do grupo Sancari) é do mesmo momento da gravação do áudio, com o Mestre Piticaia levando as toadas “Serena” e “Correio”.

Juvenal Imbiriba – Carimbó do Arapiuns

Juvenal Imbiriba nasceu na comunidade de São Pedro, no rio Arapiuns, em 1961. Hoje mora em Aminam, na mesma região. Compõe e toca violão desde jovem, e o ritmo que mais o agrada é o carimbó. Eu o conheci em 2010, quando participei da organização da Feira Cultura Digital dos Bairros, aqui em Santarém; onde ele tocou na noite de abertura (para saber sobre esse noite, clique aqui). E a ideia deste disco surgiu a partir de conversas com meu amigo Eduardo Nogueira, formando do curso de música da UEPA, que fez o TCC baseado nos carimbós dele.

Este é disco “Carimbó do Arapiuns”, com 13 músicas de Juvenal. Ele está acompanhado pelo percussionista Elder “Catraca”, e por mim nos arranjos e solos (flauta, violão e samples de sax). Todas as composição são do próprio Imbiriba, e ele toca o violão base também.

Se quiser baixar todo o disco, clique aqui (Zip – 53,8Mb). Ele também pode ser ouvido e baixado na página do Juvenal no site da FGC Producões, junto com outros músicos que gravei.

Imagens do dia da gravação estão no álbum de fotos abaixo.

Gravação com Juvenal Imbiriba

Mestre Faustino – Boi Urrou Lá No Terreiro e outras toadas

Esta é uma coleção com 8 toadas de Mestre Faustino, amo do boi Pai-do-campo, de Ourém, que gravei no dia 14 de setembro de 2010. Foram feitas no mesmo dia que as toadas com Cardoso (publicadas na postagem anterior) quando estive em Ourém pra reunir material pro meu disco “Do meio do Século XX para o XXI“. Participaram o próprio Faustino (caixa e voz), Tan-tan (onça e coro) e Dona Paulina (esposa de Faustino, no caxixi e coro).

Para baixar essa coleção, clique aqui (arquivo zip – 25.5Mb).

E uma historinha por trás de “Tava dormindo e sonhando”, a faixa 6 do player acima:
A primeira vez que ouvi Faustino cantando essa toada foi em 2003. A letra era a mesma, mas a melodia era diferente. Achei ela linda e pedi pra ele cantar a capella, pra eu gravar:

Em 2005 eu mesmo a gravei, no meu “FGC Vol. 3”.

Depois disso, o Faustino me procurou preocupado, dizendo que queria gravá-la também, porque a melodia que cantei (e que ele havia cantado naquele 2003) não era a “correta”, “tradicional” do seu Boi. Ele havia misturado a melodia de outra música na letra de “Tava dormindo e sonhando”. Então pronto! – Essa é uma das toadas mais usuais do Pai-do-campo, e o canto “original”, entoado nas ruas e terreiros de Ourém, é esse que está aqui agora:

O álbum abaixo são com imagens dessa gravação, feita na casa de Arlindo Matos, em Ourém.
Gravação com Mestre Faustino

Se quiser ouvir e baixar outras toadas que gravei de Mestre Faustino, visite esta página do sítio FGC Produções.

Homenagem ao Mestre Cardoso (arquivos inéditos)

Esta postagem é uma homenagem ao Mestre Cardoso, amo do Ouro Fino de Ourém, que faleceu esse mês, dia 20, em decorrência de um câncer que o debilitou lentamente desde maio, deixando-o com grande dificuldade para andar e cantar nas últimas semanas. São entrevistas e algumas músicas ainda inéditas, um tanto antigas, mas que finalmente edito e posto aqui na internet. É um material que acredito ser delicioso, principalmente pra quem conhece o Cardoso e está a fim de saber mais dele, já que ele fala bastante sobre a sua vida e sua arte: as toadas, o auto do boi, matanças, levantações, seus métodos de compor…

Essa primeira sequência é com 4 músicas que gravei no dia 14 de setembro de 2010, em Ourém, quando lá estive para reunir material pro meu disco mais recente. O tambor e o maracá foram tocados pelo próprio Cardoso. A faixa 3, “Que alegria!”, trata de um acontecimento que ainda estava “quente” na época – o reencontro do Mestre com seus familiares, quase 60 anos depois de sair da sua terra natal (essa história está contada aqui).

O Arlindo Matos, na casa de quem foram feitas essas gravações, registrou em vídeo o momento que o Cardoso canta “Avião Francês”, a toada que trata, assim como tantas outras do Mestre, de uma notícia “internacional”: a tragédia com o Airbus A330 da Air France, que havia caído no Atlântico no ano anterior. É o video editado pelo Arlindo que eu coloco aqui:

As entrevistas a seguir (exceto a da primeira faixa) foram todas feitas no programa “Sala de Reboco”, que apresentei entre 2004 e 2006, na rádio Tembés FM, em Ourém. Muitas vezes o Cardoso fala das músicas que iam ser apresentadas no dia da entrevista, mas os assuntos são os mais variados. Na segunda faixa (o Dominó) ele explica um jogo fantástico no uso da memória e da criatividade, que era praticado entre os amos de boi do seu Piauí – o Dominó, onde as peças eram substituídas por toadas rimadas, que eram postas no terreiro ao invés de postas na mesa. Na terceira faixa (A vinda para o Pará), ele conta o caminho que fez, boa parte a pé, quando saiu de Parnaíba, aos 20 anos, até chegar em Ourém, em 1993. A primeira foi feita em casa em dezembro de 2003, pouco depois de conhecê-lo. Cardoso fala sobre seu início na arte do boi, sua saída de Piauí, o costume de tirar licença para a brincadeira, o boi em Ourém, os personagens do auto, as dificuldades e o amor pela arte do boi-bumbá. Bem, os temas são diversos mesmo. Confira a seguir:

Reuni no álbum abaixo as fotos que tirei do Mestre ao longo desses anos. A mais antiga é da sua participação na FEMPO, a Feira de Música e Poesia de Ourém, em 2005. As mais recentes são do show que fizemos juntos em 2011, em Belém, no lançamento do meu disco “Do meio do século XX para o XXI“, todo com composições do Cardoso. No caminho, as brincadeiras nas ruas de Ourém, nas rádios, no Teatro da Paz e nos arrastões.

Mestre Cardoso - Lavrador de toadas, Compositor do mato (1933-2012)

Quem quiser ouvir a obra do Cardoso pode acessar esta página no site da FGC Producões. Lá estão disponíveis, para ouvir e baixar, mais de 120 músicas, além de outros vídeos e imagens. Aqui mesmo, no Blog FGC, publiquei diversas postagens sobre ele (com esta são 12). Elas estão reunidas aqui.

cardoso_indumentaria
Os apetrechos do Mestre

Cabocla Mariana na praia de Ponta de Pedras

A convite da Prof. Carla Ramos, que coordena o projeto “Mapeamento das Casas e Terreiros de Religiões de Matriz Afro-brasileira na cidade de Santarém/Pará”, da UFOPA, fui à praia de Ponta de Pedras (Santarém/PA) na noite de 10 de novembro de 2012, durante uma festa em homenagem à Cabocla Mariana, que reuniu diversas casas de religiões afro-brasileiras de Santarém. Deixo aqui disponíveis alguns dos batuques que tive o prazer de ouvir e gravar por lá.

O álbum a seguir são com imagens dessa noite.

Festa para Mãe Mariana

Se quiser baixar todas as músicas, clique aqui (zip – 45Mb).

Gambá de Aveiro

O Gambá é celebrado na vila de Pinhel (município de Aveiro/PA) nos últimos dias do mês de junho, em homenagem a São Benedito. O termo “Gambá” significa tanto a dança, quanto o ritmo, a festa e o principal instrumento usado na festividade – o tambor de tronco oco. Além dos tambores, as toadas do Gambá de Aveiro são acompanhadas por tocadores de caixa, reco-reco e ganzá.

Os 25 gambás desta postagem foram gravados em 29 de julho de 2007, no projeto do selo “Matrizes Ancestrais”, do Instituto de Artes do Pará (IAP), coordenado por Walter Freitas e Walter Figueredo, e que buscava mapear e registrar as festividades tradicionais paraenses. Além das folias, na última faixa dessa coleção você ouve uma ladainha com os moradores de Pinhel, que também tive a oportunidade de gravar. A ladainha, é importante dizer, também é parte integrante desta festividade. Os músicos são: Teodoro da Silva (tambor), Edgar Carvalho (tambor), Reimar Carvalho (tambor), Belinho Deodato (reco-reco), Tiago Deodato (mestre cantor e caixa), Altino dos Santos (mestre cantor e caixa) e Maciel Xavier Cardoso (mestre cantor e caixa).

Essas gravações foram lançadas em CD pelo IAP, em abril de 2008. Uma matéria sobre o lançamento desse disco pode ser lida aqui.

gamba_capa

Para baixar as toadas (com a ladainha) em um único arquivo, clique aqui (zip – 125,4Mb). E para saber mais sobre o Gambá, visite também esta página, na Rede Mocoronga.

Catalendas 2012 – nova Trilha Sonora

Esta é a nova trilha sonora que fiz pro programa “Catalendas” (produzido pela TV Cultura do Pará), que esse ano voltará com episódios inéditos.

Se quiser baixar a nova trilha completa, visite esta página no Overmundo.

O Catalendas é uma criação do In Bust Teatro com Bonecos, e é dirigido pelo Roger Paes. A trilha anterior, composta em 2002, também pode ser ouvida e baixada aqui.