Printscreen-do-projeto-Caboquice-n-1

Mais uma música pro meu “disco-sempre-em-construção” Singles. É um arranjo para um pequeno trecho de dois compassos do chorinho “Naquele tempo” (Pixinguinha e Benedito Lacerda), feito em forma de cânone. O resultado é esse aí embaixo, e o chamei de “Caboquice No. 1: com um trecho de Naquele tempo”.

A partitura pode ser lida online, nesta página do Issuu. Se quiser baixá-la, clique aqui (pdf – 2.5MB).  E se quiser baixar a música, aqui (mp3 – 2.3MB).

Printscreen-do-projeto-Caboquice-n-1

Projeto “Caboquice n. 1”, no Logic.

CravoCarbonoNoFestivalFeiraDoSom
CravoCarbonoNoFestivalFeiraDoSom

Da esq. para dir.: Fábio, Pio Lobato, Bruno Rabelo e Lázaro.

Uma boa lembrança de 15 anos atrás catada na internet: Em 1998 toquei com a banda Cravo Carbono no Festival Feira do Som, produzido por Edgar Augusto, na casa de shows Olê Olá, em Belém. A música era “Ver-o-peso”, que mais tarde estaria no disco Peixe Vivo (2001). A apresentação contou com os músicos descamisados, e o Lázaro, vocalista da banda, declamando o “Ave Maria” no meio da música, enquanto lançava pedaços de pão para o público. Devido às referências à virgem de Nazaré levamos um bom “Zero” do escritor João Carlos Pereira, que estava no júri. A banda era formada por Lázaro Magalhães (vocal), Pio Lobato (guitarra) Bruno Rabelo (guitarra), Fabio Cavalcante (flauta), Moriel Prado (contrabaixo), e Vovô (bateria). Ouça aqui:



Fontes: A foto veio de uma postagem no facebook do Clemente Schwartz, e o áudio estava postado nesta página do blog Som do Norte.

Zvianna
Zvianna

José Luciano Frade Vianna, mais conhecido como Zezinho (ou Zezus) Vianna, é compositor e cantor de Cachoeira do Arari, na ilha do Marajó. O tema principal de suas músicas é a ilha, principalmente as cidades de Cachoeira do Arari, Soure e Ponta de Pedras. Algumas delas (como Saudade Louca e Invernada Marajoara) fazem parte do “repertório básico” de grande parte dos grupos parafolclóricos de Belém.

O material dessa postagem foi enviado pelo Allan Carvalho, que está produzindo um disco do compositor, com apoio da FAP – Faculdade do Pará. As faixas foram recortadas de uma entrevista que o Allan fez com o Zezinho, durante a pré-produção do disco.

Se quiser baixar as músicas, clique aqui (zip – 37.9Mb).

Aí embaixo, Zezinho levando a sua Invernada Marajoara.

E ouça aqui uma prévia do disco. A música é “Caboclo”. O acompanhamento é feito pelo Allan (violão e banjo), Douglas Dias (percussão) e Tony (flauta).

mariazinha_afrodite

“Quem vai levar Mariazinha para passear?” é um curta de animação que está sendo dirigido em Belém pelo querido amigo André Mardock. O filme veio da peça homônima, escrita pela Ester Sá e pelo Maurício Franco. Ele conta de história de dois anjos (001 e 002) que, caindo na terra, e esperando uma chuva passar, contam outra história: a do amor entre o deus Eros e Psiquê. O Maurício foi também o responsável pela criação, em papel recortado, dos personagens e cenários lindíssimos. Veja aqui algumas das coisas maravilhosas que ele fez!

mariazinha_afrodite

Afrodite

mariazinha_ze-CC-81firo

Zéfiro, com Eros, pequenino, ao seu lado.

mariazinha_deussol

Deus Sol e Mariazinha/Psiquê.

Esta é a trilha que criei pro curta. Com exceção da última faixa, que encerra o filme, as demais são temas bem curtos, geralmente servindo para pontuar o aparecimento de personagens. A partitura de “Mariazinha, the end”, pode ser lida e baixada aqui.

Para baixar todas as faixas, clique aqui (ZIP – 8Mb).

E a animação, coordenada pelo Andrei Miralha, está uma jóia. O vídeo abaixo é só um teste, já bem antigo, com a deusa Perséfone. A música de fundo é o “No reino de Hades”.

FaustinoNoArrastao
FaustinoNoArrastao

Esta é uma coleção com 12 toadas do boi Pai-do-Campo de Ourém, gravadas em 29 de maio de 2004, e que só agora publiquei na internet. Mestre Faustino puxa as toadas (exceto as faixas 1 e 11, puxadas pelo Salles), e é acompanhado pela Dona Miloca (pandeiro); Salles Machado (tambor); Dona Chica (maracas e coro); Dona Ambrósia (maracas e coro); Dona Cesária (maracas e coro); Dona Paulina (coro); Danilo (então com 3 anos, no pandeiro) e Daniel (coro).

Se quiser baixar toda a coleção, clique aqui (zip – 61,1Mb).

Das toadas acima, três delas eu regravei no meu disco FGC Vol. 3: “Tava dormindo e sonhando“, com uma melodia diferente, já que o próprio Faustino a alterava frequentemente; e o pout-pourri “Vassoura de botão/Ai, moreninha“.

Vale lembrar que essas e outras toadas do boi Pai-do-Campo (ao todo, são 50) também podem ser ouvidas e baixadas desta página no site FGC Produções.

FaustinoBuriti

Faustino trazendo buriti do mato, pra confecção do boi.

Atrito foi um projeto idealizado em 2008 pelo Renato Torres, e realizado na Galeria Theodoro Braga, do Centur, em Belém. A convite dele, participei da segunda edição, em junho daquele ano, ao lado da Daiane Gasparetto, do artista visual Ricardo Macêdo e do poeta Paulo Vieira. Foi um encontro dividido em duas partes: uma performance coletiva, sem roteiro definido, com cada um dos participantes podendo (ou não) interferir ou se deixar interferir pelos demais; e um debate com o público no final. Para a performance, eu tinha à disposição um microfone e uma mesa de som com efeitos, e resolvi trabalhar basicamente com a microfonia, que era criada facilmente naquele espaço. O vídeo abaixo é um pequeno recorte da performance, e não mostra um monte de outras coisas interessantes que lembro ter acontecido – como o Ricardo rasgando os papéis do Paulo Vieira.

O álbum a seguir, com imagens de Ilton Ribeiro, registra outros momentos daquela noite.

Projeto Atrito II

O áudio do debate no final pode ser ouvido no tocador abaixo. A gravação está em baixíssima qualidade, por isso, caso queira, clique aqui para baixar uma transcrição do bate-papo.

Mestre-Piticaia-Debora-Flor
Mestre-Piticaia-Debora-Flor

Piticaia (foto: Débora Flor)

Benedito Gama de Miranda é o nome de Mestre Piticaia. Nascido na comunidade do “Atola” (“pras bandas do rio Abaí”), e criado em Cachoeira do Arari, na ilha do Marajó, onde mora até hoje, Piticaia tem 73 anos de idade, e coloca boi há 42.

As 11 toadas a seguir foram gravadas pelo meu amigo Allan Carvalho, que esteve em Cachoeira durante o “Cordão do Galo“, projeto do Instituto Arraial do Pavulagem. O Mestre canta acompanhado por uma caixa quadrada, típica do marajó, tocada por ele mesmo.

Se quiser baixar as músicas, clique aqui (zip – 21.2 Mb).

O vídeo abaixo (gravado pelo Lucas Santana, do grupo Sancari) é do mesmo momento da gravação do áudio, com o Mestre Piticaia levando as toadas “Serena” e “Correio”.

GravacaoComJuvenalImbiriba

Juvenal Imbiriba nasceu na comunidade de São Pedro, no rio Arapiuns, em 1961. Hoje mora em Aminam, na mesma região. Compõe e toca violão desde jovem, e o ritmo que mais o agrada é o carimbó. Eu o conheci em 2010, quando participei da organização da Feira Cultura Digital dos Bairros, aqui em Santarém; onde ele tocou na noite de abertura (para saber sobre esse noite, clique aqui). E a ideia deste disco surgiu a partir de conversas com meu amigo Eduardo Nogueira, formando do curso de música da UEPA, que fez o TCC baseado nos carimbós dele.

Este é disco “Carimbó do Arapiuns”, com 13 músicas de Juvenal. Ele está acompanhado pelo percussionista Elder “Catraca”, e por mim nos arranjos e solos (flauta, violão e samples de sax). Todas as composição são do próprio Imbiriba, e ele toca o violão base também.

Se quiser baixar todo o disco, clique aqui (Zip – 53,8Mb). Ele também pode ser ouvido e baixado na página do Juvenal no site da FGC Producões, junto com outros músicos que gravei.

Imagens do dia da gravação estão no álbum de fotos abaixo.

Gravação com Juvenal Imbiriba